PlayStation Blast
Ei, você aí. Nosso fórum contém uma gama diversificada e grande de discussões que você poderia fazer parte! Além dos membros serem educados e atenciosos. Então por que não se cadastra aí? Venha discutir conosco e fazer amizades aqui, no Fórum PlayStation Blast!

Cientistas descobrem primeira “Terra gasosa”

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Cientistas descobrem primeira “Terra gasosa”

Mensagem por Convidado em Ter 07 Jan 2014, 16:38

Pessoal, essa matéria que estou compartilhando é de um site popular, mas tenho outros sites que falam sobre Nibiru ou Planeta X, que acredito que seja ele.
Fiquem informados.
Links na descrição




A ciência dos planetas acaba de ficar mais complicada. Um grupo internacional de astrônomos descobriu um mundo fora do Sistema Solar que tem exatamente a mesma massa da Terra, mas também possui um imenso invólucro atmosférico mais parecido com o dos planetas gigantes gasosos, como Júpiter ou Netuno. Seria uma espécie de “Terra gasosa”, uma aberração sem igual em nosso sistema planetário.
A descoberta foi feita com dados do satélite Kepler, da Nasa, que teve sua missão prematuramente encerrada no ano passado, após um problema técnico. (A Nasa atualmente investiga a possibilidade de voltar a utilizá-lo para caçar planetas, mas com outro modo de operação.)
O anúncio foi feito por David Kipping, do Centro Harvard-Smithsoniano para Astrofísica, nos Estados Unidos, durante a reunião anual da Sociedade Astronômica Americana, em Washington, e mostra que há mais coisas entre o céu e a (nossa) Terra do que até então julgava nossa vã filosofia.
“Esse planeta pode ter a mesma massa da Terra, mas certamente não é parecido com ela”, afirma Kipping, que liderou o estudo. “Ele prova que não há uma divisão clara entre mundos rochosos, como a Terra, e planetas mais encorpados, com os mundos de água ou os gigantes gasosos.”
Chamado de KOI-314c, o planeta orbita uma estrela anã vermelha a aproximadamente 200 anos-luz daqui, completando uma volta a cada 23 dias terrestres. Pela proximidade com a estrela, ele tende a ser quente demais para abrigar vida.
NOVA TÉCNICA
Com um diâmetro 60% maior que o terrestre, ele pôde ter sua composição básica estudada pelos astrônomos graças a uma nova técnica que permite calcular, além de seu tamanho, sua massa. Dividindo massa sobre volume, pode-se estimar a densidade. E, com base nela, os cientistas podem tentar encaixá-lo a modelos teóricos de composição que batam com os dados observacionais.
Normalmente, os planetas descobertos pelo Kepler só podem ter seu tamanho estimado com alguma precisão. Isso porque o método de detecção consiste em observar os chamados trânsitos — uma ligeira redução no brilho da estrela-mãe quando o planeta passa à frente dela. A diminuição de luminosidade é proporcional ao tanto de luz bloqueada, que por sua vez está relacionada ao porte do objeto.
Até recentemente, a massa só podia ser calculada pela medição dos efeitos gravitacionais que o planeta provoca na estrela-mãe, produzindo nela um suave bamboleio conforme ele avança em sua órbita. Isso exige outro tipo de observação e instrumentação, diferente da usada para detectar trânsitos, o que complicava a pesquisa.
Com a nova técnica, os mesmos dados de trânsito coletados pelo Kepler podem produzir estimativas de diâmetro e de massa. Como? Conforme o planeta vai completando voltas e passando várias vezes à frente da estrela, os pesquisadores buscam por pequenas variações no período entre trânsitos. Se às vezes o trânsito começa um pouquinho mais cedo, ou um pouquinho mais tarde, isso pode ser resultado da interação gravitacional do planeta estudado com um outro mundo próximo. Como interações gravitacionais são ditadas pela massa dos objetos em questão, os pesquisadores podem calcular quanto pesam os planetas. No caso em questão, o KOI-314c tinha um vizinho mais interno, KOI-314b, que completava uma volta a cada 13 dias. Ele tinha mais ou menos o mesmo tamanho (60% maior que o da Terra), mas massa quatro vezes a terrestre.
Outros resultados apresentados na reunião da Sociedade Astronômica Americana pertinentes a essa questão, fruto de estudos de “bamboleio gravitacional” e de aplicação da nova técnica, conhecida como TTV (sigla inglesa para Variações de Tempo em Trânsitos), sugerem que esses planetas cujo tamanho oscila entre um e quatro diâmetros terrestres (ora chamados de superterras, ora de mininetunos) podem ser bem diferentes entre si. Os resultados indicam que, entre os mundos com diâmetro 50% maior que o da Terra ou inferior, a tendência a serem rochosos, como nosso planeta, aumenta bastante. Mas ainda não há uma estatística precisa. E a busca por um gêmeo terrestre idêntico continua. Fique ligado!

Fonte: UOL

Links relacionados:

http://celiosiqueira.blogspot.com.br/2012/09/nibiru-esta-caminho-e-nasa-prepara.html


http://www.verdademundial.org/2013/08/aterrorizante-funcionaria-da-nasa.html



http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum